quarta-feira, 5 de abril de 2017

USANDO O CUPOM DE DESCONTO

 Ola, tudo bem?
  Esses cupons de descontos as vezes passam batido pelo cliente e é uma oportunidade muito boa de  pagar mais barato por um produto.  Um sucesso!!!

baners como esses, vocês não podem deixar passar batido! 😉
  As lojas virtuais  as vezes lançam essas promoções, as vezes por tempo limitado e outras vezes pra sempre, mas a verdade é que o cliente é quem sempre ganha!!!
 E muitos ainda tem duvidas em como usar estes CUPONS e acabam não usando...
 
Então ai vai a #dica:
1)


 Quando vc fecha a compra, aparece esta pagina e logo abaixo tem o campo " CUPOM DE DESCONTO"
 Pois é neste campo que você vai por a palavra  que a loja deu para ganhar o desconto ( o nosso foi BONE )

2)

 Pronto!
 Depois que você escreve a palavra do cupom ( no nosso caso a palavra " BONE")  vai aparecer
o valor do desconto logo abaixo do preço original.
 Atenção.
Só finalize a compra se o valor de desconto aparecer abaixo ( como no nosso exemplo).

 Dai é só finalizar a compra  e correr para a comemoração!!!
😎🙌




Boas compras!!!

Conheça nossa lojas e nossas promoções!!
www.ameeloja.com.br

AMEE !

quinta-feira, 30 de março de 2017

ASSÉDIO SEXUAL FEMININO - "CHEGA DE FIU-FIU " O FILME


 Muitos acham que é elogio, mas passa dos limites nas maioria dos casos.
 Acho um assunto polemico e importante. Acho que nossa sociedade tem que evoluir!
É difícil quebrar costumes culturais de anos, como é o caso de muitos homens mexerem achando que  
esta reforçando sua masculinidade e fazendo um favor para a mulher em mexer com  ela... Nem sei pq ainda hj tem homens querendo firmar sua masculinidade...
 Tem skate feminino no filme... e sim, no meio do skate as mulheres sofrem  assédio "ainda"...
nao muito, mas sempre tem um que estrapola a parada!



  

 A Chega de Fiu Fiu mudou a conversa sobre assédio de rua no Brasil. Há quatro anos, começamos uma jornada de ressignificação sobre uma violência tão trivial quanto perversa, capaz de tornar espaços abertos em verdadeiros labirintos para mulheres - sempre em busca por caminhos mais seguros, mas temerosas pelo o que lhes aguarda a cada esquina. De lá para cá, nosso grito ganhou força. Dentro e fora da internet, surgiram outras campanhas - algumas até de governos, aplicativos, reportagens, leis: desdobramentos de uma situação urgente a ser combatida na sociedade.
 Hoje lançamos o trailer do documentário #ChegadeFiuFiu, produzido pela Brodagem Filmes, e financiado com a ajuda de uma das campanhas de financiamento mais bem sucedidas do Catarse até então, como mais uma ferramenta de combate ao assédio de mulheres que estão apenas exercendo seu direito inalienável de ir e vir. ‘O filme é um retrato dessa violência de gênero em um contexto ainda pouquíssimo explorado: o espaço público’, explica a diretora, Amanda Kamanchek. Traçamos um panorama completo de como esse tipo de agressão se desenha no Brasil por meio da história três mulheres de diferentes regiões do país: Rosa Luz, de Brasília (DF); Raquel Carvalho, de Salvador (BA); e Teresa Chaves, de São Paulo (SP). Também chamamos os homens para essa conversa e ouvimos especialistas que nos ajudaram a entender as engrenagens que permitiram a normalização do assédio.        É um filme sensível, emocionante e profundo, feito por e para mulheres, mas capaz de fazer até as mentes mais resistentes entenderem que nosso incômodo não é mimimi quando é a nossa própria liberdade que está em jogo. 
Em breve divulgaremos a data de lançamento. Para receber novidades, inscreva-se na TV Olga, o nosso canal no YouTube: http://bit.ly/TV-Olga.
Trilha: "Moça", de Bárbara Sweet

domingo, 26 de março de 2017

4 MODELOS DE BONÉS MAIS USADOS


Ola,
 Nesses últimos tempos nunca foi tao usado um acessório como o boné.
 Boné , um acessório quase q obrigatório para o homem, assim como a bolsa é para a mulher... E sim, as mulheres também estão usando muito esse acessório que protege e da um estilo único.
 Ele esta presente em todos os seguimentos: streetwear, sportwear, fashion... no luxo... Cada um com  sua versão...

  No Brasil aumentou muito o numero de marcas q estão fazendo bonés, isso pq as fabricas de bonés estão com uma boa tecnologia possibilitando para muitas marcas terem suas próprias versões e derrubando um império de marcas gringas . Uma explosão de criatividade, modelos e estilos!

  Como em tudo , na moda, temos que prestar atenção no conjunto de como é feito o produto, tanto no boné quanto em  qualquer peça de roupas, calçados.... Na minha opinião, esse conjunto é:
 Criatividade, originalidade, onde é feito, o porque é feito, a historia da marca...
Por mais simples que a peça seja, ela tem que ter alma.
  E assim o consumidor acaba fortalecendo e fazendo parte de um processo muito positivo.

 Neste post vou aproveitar minha experiência que tive como estilista na New Era e explicar um pouco sobre os modelos que estão sendo mais usados nesses últimos tempos.

E estes são os 4 modelos mais usados no Brasil e no mundo:


1) Boné Strapback e Snapback

 O que é o " strapback"? Strapback é o tipo de fechamento que vai atras do boné...Ele geralmente é em tecido, couro ou em fita de nylom e existem diferentes fivelas ( em metal, em plastico e etc)
 Entao um modelo de boné strapback ele pode ser tanto estruturado, como sem estutura, baixo, alto, com ou sem costura na frente... Como nas fotos abaixo:



fechamento em couro sintetico, strapback

Fechamento em nylom, strapback

strapback, fechamento com fivela

 E o que é o " snapback"? Snapback também é o tipo de fechamento que vai atras do boné... E ele é em plástico ou de silicone...é de  encaixar ( + das antigas...) ele é vintage e voltou muito forte há + 3 anos... desbancando o boné todo fechado.
 Como o boné strapback, ele também pode ser tanto estruturado como sem estutura, baixo, alto, com ou sem costura na frente 5 panels ou 6 panels... Como nas fotos abaixo:



Snapback, fechamento em plastico, ( tradicional)





2) Boné 6 panels

 Os bonés 6 panels, 6 painéis ( ou gomos) sao os mais comuns ( aba reta) e eles podem ser estruturado ou desestruturados...( com entretela ou sem ) Eles passaram por muitas mudanças: antes se usava só fechado mas já ha algum tempo se usa só aberto, que são os snapbacks e strapbacks descritos acima. A aba pode ser pequena, quadradinha, arredondada...
Como seguem as fotos abaixo:


Boné Amee Skate Arte, 6 panels, strapback

Boné , 6 panels, snapback

Boné , 6 panels, snapback

Boné , 6 panels, sem estrutura




3) Boné 5 panels

 Os bonés 5 panels, 5 painéis ( ou gomos) é uma novidade, mas que já foi usados ha muitos anos... e também  podem ser estruturado ou desestruturados...( com entretela ou sem ) e snapbacks e strapbacks. A aba pode ser pequena, quadradinha, arredondada...
 Como os exemplos abaixo:


Boné 5 panel, strapback sem estrutura

Boné da Amee Skate Arte 5 panel strapback, só que este lembra o boné modelo trucker- com estrutura ( q nao necessariamente tem tela atras)

Boné da Amee Skate Arte 5 panel strapback, só que este lembra o
boné modelo trucker ( q nao necessariamente tem tela atras)

Boné  5 panel strapback, só que este lembra o boné modelo trucker
( q nao necessariamente tem tela atras)

Boné  5 panel strapback, só que este lembra o boné modelo trucker (
 q nao necessariamente tem tela atras)

Boné  5 panel strapback
Boné da Amee Skate Arte, 5 panel strapback, sem estrutura


Boné  5 panel strapback, sem estrutura


4) Boné Dad cap ( aba curva)

 O modelo "dad cap" tem como sua maior característica a aba curva . Outra característica importante é que ele não tem estrutura . Muito usado nos dias de hoje, ele também pode ter vários fechamentos...
mas o modelo sempre é o mesmo... Como nestas fotos:









 Espero ter ajudado vcs. Qualquer duvida só deixar nos comentários.
;)


AMEE!

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar

segunda-feira, 20 de março de 2017

VIDEOS QUE INSPIRAM: Nick Trapasso- Transworld SKATEboarding


Nick Trapasso em 2008 e agora, pela Transworld Skateboarding

quinta-feira, 9 de março de 2017

DIA DA MULHER- NO SKATE, NA ARTE , NO MUNDO...



 Nos da Amee skate desejamos as mulheres ainda mais força para continuarem a revolucionar.
 E tambem agradecer as mulheres que fizeram parte da historia da Amee como o 1º model assinado por uma skatista profissional, a Ligiane Xuxa  e a artista plástica que foi a 1 artista a assinar um model tambem. Sem contar as skatistas da equipe: Emily Souza Pipa, Natalia Niglli, Lorena Fernanda
que sempre nos fortalece testando nossos produtos, fazendo videos e etc.
 Queremos agradecer as modelos que vestem Amee Skt Art , a fografa Larissa Mattos por fazer um lookbook lindo, a Graci Santiago, por clicar muitas fotos com os produtos...
 Enfim... sao muitas as mulheres que nos ajudam!
  Nós só temos a agradecer.
 Agradecer a nos inspirar a fazer o que fazemos.
AMEE!

Skatista profissional , e o seu model dela, com o proprio desenho

Silvanna Mello, artista plastica, e o seu desenho



  Para comemorar,  a loja da Amee skt esta dando 40%off em todos os produtos ( menos as que ja estao na promoçao) usando o cupom: MULHER ( valido ate o dia 18/03/2017)
 Da um clique aqui e confira!!!




--------------
ORIGEM DO DIA INTERNACIONAL DA MULHER:


Dia Internacional da Mulher é celebrado em 8 de março. A ideia de criar o Dia da Mulher surgiu no final do Século XIX e início do século XX nos Estados Unidos[1] e na Europa, no contexto das lutas femininas por melhores condições de vida e trabalhode direito de voto. Em 26 de agosto de 1910, durante a Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas em Copenhaga, a líder socialista alemã Clara Zetkin propôs a instituição de uma celebração anual das lutas por direitos das mulheres trabalhadoras.[2][3]
As celebrações do Dia Internacional da Mulher ocorreram a partir de 1909 em diferentes dias de fevereiro e março, a depender do país [1]. A primeira celebração se deu em 28 de fevereiro de 1909 nos Estados Unidos, seguida de manifestações e marchas em outros países europeus nos anos seguintes, usualmente durante a semana de comemorações da Comuna de Paris, ao final de março. As manifestações uniam o movimento socialista, que lutavam por igualdade de direitos econômicos, sociais e trabalhistas ao movimento sufragista, que lutava por igualdade de direitos políticos. Em 1910, durante uma conferência internacional das mulheres, que antecedeu a realização da reunião da Segunda Internacional Socialista de CopenhagueDinamarca, foi estabelecido o Dia Internacional da Mulher, celebrado no ano seguinte no dia 19 de março por meio de numerosas manifestações em países como Alemanha, Áustria-Hungria, Dinamarca e Suíça[4].
Posteriormente, no início de 1917 na Rússia, ocorreram manifestações de trabalhadoras russas por melhores condições de vida e trabalho e contra a entrada da Rússia czarista na Primeira Guerra Mundial. Os protestos foram brutalmente reprimidos, precipitando o início da Revolução de 1917.[5][6] A data da principal manifestação, 8 de março de 1917 (23 de fevereiro pelo calendário juliano), foi instituída como Dia Internacional da Mulher entre o movimento internacional socialista.
Após 1945, a data tornou-se principalmente um feriado comemorado nos países do chamado bloco comunista. Em 1955, segundo as autoras francesas Liliane Kandel e Françoise Picq, surgiu o mito de que a data teria como origem a celebração da luta e da greve de mulheres trabalhadoras do setor têxtil em Nova York em 1857 que haviam sido duramente reprimidas pela polícia ou mortas em um incêndio criminoso na fábrica, segundo diferentes versões do mito. Não há indícios de que isso tenha ocorrido e segundo as autoras, a origem desta versão ocorreu entre feministas francesas que durante a Guerra Fria buscavam uma origem à comemoração que estivesse desvinculada da história da luta socialista [7] [8].
Na antiga União Soviética, durante o stalinismo, o Dia Internacional da Mulher tornou-se elemento de propaganda partidária. Também era amplamente celebrado nos países do bloco socialista na Europa Ocidental.
Nos países ocidentais, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado no início do século, até a década de 1920, tendo sido esquecido por longo tempo e somente recuperado pelo movimento feminista na década de 1960. Na atualidade, a celebração do Dia Internacional da Mulher perdeu parcialmente o seu sentido original, adquirindo um caráter festivo e comercial. Nessa data, os empregadores, sem certamente pretender evocar o espírito das operárias grevistas do 8 de março de 1917,[8] costumam distribuir rosas vermelhas ou pequenos mimos entre suas empregadas.
Em 1975, foi designado pela ONU como o Ano Internacional da Mulher e, em dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adotado pelas Nações Unidas, para lembrar as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres.[9]

TEXTO ORIGINAL DA WIKIPEDIA

segunda-feira, 6 de março de 2017

PROMOÇÃO DE BONES


 Todos os bonés da #ameeskate com descontão apenas assinantes.
 Basta colocar a palavra  " bone " no espaço de cupom na hora de fechar a compra.

Os bonés da Amee skt arte sao de altissima qualidade, modelagem confortável e moderna ( mais raso) e com tecidos e detalhes especiais.
Aproveite esse descontão, clique aqui




Chegaram novos shapes da #ameeskate na loja e estamos fazendo essa promoção:
comprando um shape , ganha uma camiseta!
 E COM FRETE GRATIS PARA TODO O BRASIL !!

Os shapes da Amee Skt Art sao todos com a tecnologia fiber glass( fibra de vidro entre as laminas ) para deixar o shape mais leve e mais resistente.  Tem laminas tingidas em todos os modelos. Aprovados pelos skatistas da equipe!


PROMOÇÃO DE BABY LOOKS !!!
A PARTIR DE R$ 39,90
 TODOS OS MODELOS ESPECIAIS, E COM TECIDOS 100% AGODÃO.





NOVAS REGATAS!!! 
todas em malha 100% algodao!
Fresquinha e com a modelagem confortável!




quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

TENDENCIA PARA 2018 - MERCADO E NEGOCIOS DA MODA




WGSN realizou durante o SPFW a 25ª edição do WGSN SPFW, apresentando algumas tendências que devem ganhar força nos próximos dois anos.
Para a empresa, autoridade mundial de previsão e tendências para as indústrias da moda e criativa, em 2018 pessoas e empresas vão apertar o botão “reiniciar” e redefinir como vivemos, projetamos e negociamos no mundo todo. Num cenário em que tudo será novo, empresa que se dedica a estudar tendências se fortalece como ferramenta para auxiliar no planejamento de negócios.
“Em dois anos, vamos viver um momento crucial, pautado pela justaposição entre dependência tecnológica e autossuficiência. Tecnologias voltadas para a cura irão transformar o sistema de saúde e a indústria relacionada ao bem-estar, porém não substituirão a importância em praticar exercícios físicos, já que a força se estabelece como o novo saudável. Tecidos inteligentes irão sacudir a indústria de moda, mas não chegarão a substituir a necessidade de materiais com toque agradável. Novos aplicativos e redes sociais irão estimular relacionamentos globais, mas a nossa conexão mais importante será com a natureza e com a gente mesmo”, adianta Letícia Abraham, VP Latam da WGSN.
Conheça as quatro macrotendências que vão permear a vida, e os negócios, em 2018:

VIDA TERRENA



“A natureza não precisa de pessoas. As pessoas precisam da natureza”. É o que diz a primeira linha do ‘manifesto humano’, publicado pela organização ambiental Conservation International. “É um sentimento adequado para servir de ponto de partida nessa temática, que aponta para uma necessidade emergente de conexão com a natureza de forma visceral e selvagem”, afirma Letícia Abraham, VP Latam da WGSN. Aqui agrupam-se vários comportamentos, que vão desde a necessidade de autossuficência, de se conectar à natureza e valorizar o que é natural – desde alimentos, tecidos e também produtos de beleza – até a crescente admiração pela ciência.
Em um mundo cada vez mais online, as pessoas passam a buscar maneiras de diminuir esta dependência. Os dispositivos conectados são facilitadores, mas há fatores de risco associados ao vício em tecnologia. “As pessoas sentem-se preparadas para esquecer de informações importantes, por crer que elas podem ser imediatamente recuperadas através de um dispositivo digital, mas a chamada ‘amnésia digital’ é um risco no caso de falhas nas tecnologias”, complementa Letícia. Tarefas simples, como trafegar por uma cidade e se lembrar de um telefone, estão se tornando obsoletas. Um estudo recente descobriu que 67% das pessoas com menos de 25 anos no Reino Unido não sabem ler um mapa. “Como exemplo da busca por autossuficiência, vemos crescer nos Estados Unidos as aulas modernas de economia doméstica, tratando de habilidades como costura e sobrevivência na selva. Já no Brasil, os cursos de marcenaria estão se multiplicando”, comenta ela.
O movimento ‘do cultivo à mesa’ se estenderá para ‘da fazenda ao provador’, à medida que as peças do vestuário se utilizam de materiais caseiros e de fontes locais. Outros produtos de consumo, como tratamentos cosméticos para a pele e cuidados com a casa também se voltarão cada vez mais para os materiais naturais.

“Já nos Estados Unidos e no Reino Unido, os ingredientes naturais de cultivo próprio tem se tornado uma tendência de estilo de vida”, afirma Letícia. A SONAR descobriu que 60% dos jovens que nasceram nos anos 2000 nos Estados Unidos e 46% no Reino Unido utilizam produtos alimentícios orgânicos para fazer tratamentos de beleza caseiros, pois acreditam que ingredientes de cultivo próprio são mais naturais do que os produtos nas lojas.
O interesse pela ciência vai crescer, tornando-a tão legal quanto os esportes, especialmente para a Geração Z. A Harvard Business Review se refere a profissão de cientista de dados como ‘o trabalho mais sexy do século XXI’, reforçando a ideia de que a ciência é legal, especialmente para jovens adultos. Por já ter nascido conectada com a tecnologia, a Geração Z recebeu valores diferentes das gerações anteriores, sendo altamente premiada por sua inteligência. Os esportes em equipe estão em declínio entre as crianças dos Estados Unidos (2,6 milhões de crianças abandonaram os esportes em equipe desde 2013). Já os programas extracurriculares de STEM (ciências, tecnologia, engenharia e matemática) têm se tornado mais procurados a cada ano. STEM também é uma crescente prioridade no Brasil. O país está financiando um programa de $2 bilhões, chamado Ciências sem Fronteiras, que enviou 100.000 estudantes a instituições internacionais em 2015.

NOTURNO

noturno
Noturno não dá destaque apenas a escuridão da noite, esta tendência fala de sentimentos e situações sombrias, como a melancolia – que pode trazer o autoconhecimento; o pessimismo – aqui visto como impulso necessário para a superação; e até a morte, projetada de forma mais natural. “Esta tendência reúne comportamentos que buscam um equilíbrio estratégico entre o otimismo exagerado e o pessimismo saudável, ou seja, não só as pessoas vão se voltar aos seus medos e encará-los, mas também as corporações”, explica Letícia Abraham. A ideia é atacar a falsa sensação de otimismo e explorar o poder que um grau saudável de pessimismo pode trazer: empresas podem usar crises para aprendizados, por exemplo.
A solidão também será encarada, e buscada por muitos. “Vamos ter um reforço do ‘Viajante Solitário’, que troca viagens rápidas por longos períodos de contemplação em lugares onde o tempo parece que não passa, como Finlândia, Alaska, Norte do Canadá e Noruega”, afirma a VP Latam da WGSN. O número de viajantes solitários está em constante crescimento. O Estudo de Intenções de Visto Global de viagens de 2015 constatou que 24% das pessoas estavam viajando sozinhas, em países estrangeiros em suas últimas férias, o que significa um crescimento de 15% desde 2013. Além disso, o turismo solo é ainda mais comum entre os marinheiros de primeira viagem ao exterior, aumentando para 37% em relação aos 16% de 2013.


À medida que vivemos mais tempo, tanto física como digitalmente, também seremos capazes de
discutir e até mesmo projetar a morte de uma forma mais humana e até mesmo mais bela. “Se fortalecem formas alternativas de tratar o ser humano após a morte e também espaços criados para se falar deles ou da própria morte. O assunto não é mais velado, ele vira protagonista”, conta Letícia.
A noite será cada vez mais vista como um momento ativo, principalmente para prática de esportes: skatistas, surfistas e praticantes de mountain bike, por exemplo, estão bem familiarizados com a superação dos medos – cada manobra, onda e obstáculo traz consigo um elemento de perigo – mas basta acrescentar a escuridão para a experiência se tornar ainda mais desafiadora. “Surgem também cada vez mais espaços onde se pode praticar esportes à noite, o que já é visto em Liverpool, na Inglaterra, que possui uma pista com estrutura que brilha no escuro”, explica a executiva.

DESIGN SUBSTANCIAL


O ‘menos’ se tornará menos ainda, e significará muito mais. “Os consumidores contemporâneos desejam que a sustentabilidade seja um padrão da indústria e não uma estratégia de marketing. As marcas terão que se empenhar mais para atender a essa demanda. O design não deve apenas ser bom, ele também deve servir a um bem maior, ultrapassando os limites do produto e da propaganda”, conta Letícia Abraham. Com isso, o valor dos produtos e serviços será redefinido. “Quando as pessoas comprarem os produtos, de fato, elas desejarão que tais produtos agreguem valor à suas vidas, em vez de somente ocuparem espaço”, completa.
A nova ordem será o design sob demanda, à medida que a produção em massa retrocede e ocorre um aumento nos produtos impressos e produzidos sob demanda. Ganha força o design colaborativo.
O dinheiro usado para pagar por esses produtos também se tornará mais imaterial, com o crescimento das moedas criptográficas que funcionam como alternativa ao dinheiro. Atualmente, existem mais de 669 moedas virtuais disponíveis para comércio nos mercados online, a mais conhecida é a bitcoin. Apesar de ter enfrentado grandes contratempos ao longo dos anos, a bitcoin prospera em vários países, incluindo o Brasil. Por que agora? Para Letícia Abraham, a resposta é simples: “falta de confiança nas instituições econômicas e o aumento das viagens e da conectividade global. Num mundo de cartões magnéticos e similares, o dinheiro físico parece algo ultrapassado”, explica.
Em resumo, essencialidade é nova sustentabilidade.

INFUSÃO


Esta tendência surge com um questionamento: como a tecnologia está nos moldando e como estamos moldando a tecnologia? “A Infusão vem mostrar que humanos e máquinas estão, pouco a pouco, se convergindo e haverá uma pressão para que trabalhem juntos: a tecnologia se torne parte mais intrínseca da vida, e para que as qualidades mais vivas e intuitivas se tornem parte mais intrínseca da tecnologia”, explica a VP Latam da WGSN.
A tecnologia está conectando as pessoas, especialmente os jovens, como nunca, criando tribos globais, além de grupos regionais de jovens. Embora a Internet possua um lado sombrio, as pesquisas mostram que a conectividade online é fundamental para os relacionamentos dos jovens – 57% dos
adolescentes conheceram um novo amigo online e 70% dos usuários adolescentes de mídias sociais se sentem mais conectados aos sentimentos de seus amigos através das mídias sociais, segundo um estudo recente do Pew Research Center.
“À medida que se torna mais fácil personalizar um perfil online, as pessoas também desejam personalizar seus perfis offline. As antigas identidades sociais são desconstruídas e surgem novas ideias, com a sociedade desafiando e redefinindo a imagem corporal e os estereótipos raciais. As definições de gênero, tipo de corpo e raça se tornarão mais fluidas e abertas, por exemplo”, complementa Letícia.
Os dois extremos se fundem, considerando que a tecnologia está intrinsecamente integrada aos tecidos táteis, criando materiais que são, ao mesmo tempo, glamourosos, atemporais e multifuncionais. “Veremos tecidos inteligentes, utilização de DNA para criação de produtos e serviços personalizados e materiais e nos questionaremos: afinal, quem está no comando, homem ou máquina?”, provoca Letícia.

Como estará o Brasil em 2018?


O Brasil também vai viver este momento de reset, segundo Daniela Dantas, Head WGSN Mindset LATAM, que lidera o time de especialistas focados em projetos personalizados, pesquisa de tendências e construção de marca da WGSN. “Este reinício começa agora e acontece para que possamos mudar o futuro do país. É um reset do brasileiro como cidadão, consumidor e também como cultura”, afirma a executiva.
O histórico da classe média no país mostra que nos últimos tempos ela conquistou o poder de consumo e ganhou os holofotes. A partir de agora, o contexto vai mudar a forma dessa inclusão. 
A classe média será cada vez mais consequência dos seus próprios valores e não do seu poder de consumo”, explica Daniela.
O momento político atual vai fortalecer a necessidade de uma atitude mais transparente de empresas e setor público. “Apesar de não ser um comportamento novo, o que é interessante aqui é que ele começa atingir camadas que antes não atingia”, explica Daniela.
Segundo Daniela, o Brasil ainda vive imerso em preconceito social, cultural, de gênero e ético. E isso vai alimentar uma nova onda de revoluções de grupos muitas vezes ignorados pela sociedade e pelas marcas. “Veremos pessoas manifestando-se sobre raça, cabelo enrolado, assexualidade, entre outros temas que hoje ainda são delicados”, afirma a especialista.

Além disso, mesmo com o país passando por um momento sério, surge uma forma de quebrar padrões de maneira divertida e nonsense, nos quais o surreal é elemento importante. “Não significa que vamos criar algo novo, pois é possível se apropriar de obras de terceiros, colocadas em um novo contexto, como fan fics de casais bizaros e o Bipolar show”, completa Daniela.

O reset da nossa cultura vem desenhado de novos contornos. “É preciso esquecer os clichês do brasileiro e olhar para essa cultura de um novo jeito, com uma nova cara, como o cantor Liniker, a exposição Youth de Hick Duarte e o filme Boi Neon, finaliza ela.

 Fonte: 



segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Tênis Branco

Quem viveu nos anos 90 com certeza lembra ou teve um tênis branco, era super descolado quem tinha um, lembro que eu tinha um all star branco que ficou encardido em pouquíssimo tempo! rs
Tênis branco é bem legal porque dá pra combinar com todo tipo de peça desde do básico jeans e camiseta até uns looks mais ousados com saia ou vestido midi, sem falar na combinação que eu mais gosto que é vestido + tênis = puro amor! A peça é apenas um completo para seu estilo, por isso é tão bacana e dizem que essa tendência promete ficar por um tempo nossos pés.
Separamos imagens lindas de referência pra você se inspirar.
Se você curtiu o post de hoje, deixa um recadinho pra gente ou compartilhe esse post com suas amigas!
Vaz



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Mom Jeans

É um jeans sem stretch, cintura alta, larguinho nas pernas, com corte reto e lavagens desbotadas com carinha de usado mesmo.  
A peça fica perfeita com cropped ou maxi tees e para dar aquela cara moderna no look tente usar com a barra dobradinha, aposte em um sapato bacana ou num tênis bem style!
Não quer erra no look? Aposte na combinação jeans e t-shirt branca com tênis branco, que aliás, o tênis branco promete ser o queridinho do verão mas isso é assunto para o próximo post.
Ainda em dúvida de como usar? Separamos uma seleção linda para você se inspirar! 
Se você curtiu o post de hoje deixa um recadinho pra gente!
Vaz











segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Maxi Tees

As maxi tees prometem ser a peça chave do seu guarda roupa nesse verão. São camisetas alongadas com fendas ou aberturas centrais que permitem movimento e levada ao look. 
Os looks podem ser compostos por shorts, saia, legging ou até mesmo jeans. As peças podem ser combinadas com tênis, sandálias, saltos, rasteirinhas e até coturno, tudo dependerá do seu estilo.
Se você quer um look ainda mais moderno experimente combinar as maxi tees com maxi colares ou correntes bem grossas e tênis, você vai arrasar no rolê.
Se você curtiu o post de hoje, comenta aqui embaixo pra gente saber ;)

Beijos










Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...